Semana de Arte Moderna – Resumo

Semana da Arte Moderna – O que foi e informações

 

Entre as diversas áreas do conhecimento humano que as pessoas podem ser especialistas, algumas das mais marcantes são aquelas em que é necessário criar, aquelas que exigem toda a criatividade de alguém para serem boas para alguns e ruins aos olhos de outros. É a criatividade que gera polêmica entre as pessoas, que gera admiração e debate.

Entre esse meio criativo, existem várias especialidades. Porém, a literatura e a arte são ciências que realmente chamam a atenção de diversos estudiosos ao redor do Brasil e do mundo.

Semana da Arte Moderna: Unindo essas duas modalidades, é impossível não lembrar um acontecimento que marcou a história e as ideias desses movimentos. Esse marco é a Semana da Arte Moderna, que ocorreu no ano de 1922.

Idealizado pelo pintor Di Cavalcanti, o evento ocorreu no Teatro Municipal de São Paulo, tendo como principal objetivo a divulgação de novas tendências na arte. Tendências essas, que estavam com grande força no continente Europeu.

Foi um momento em que os grandes intelectuais do Brasil perceberam que era hora de abandonar padrões estéticos pré-estabelecidos e venerados no século XIX. O objetivo era conseguir um estilo novo, livre de padrões, independente e sem rumo certo ou caminho correto a ser seguido. A chave de tudo era a liberdade de expressão.

O acontecimento reuniu grandes artistas e escritores, como Oswald de Andrade, Anita Malfatti, Guilherme de Almeida, Manuel Bandeira, entre outros.

A Semana da Arte Moderna foi alvo de várias críticas, mas o movimento modernista continuou a divulgar novas ideias através de revistas, como a Revista Antropofágica e a Klaxon.

Pode-se concluir que o evento foi importantíssimo quando se fala em literatura e arte, pois abriu várias portas novas e libertou as pessoas das correntes que as prendiam a mesmice.





Deixe um Comentário