As Cruzadas – O que foi, resumo

Cruzadas – O que foram as cruzadas

 

Independente de qualquer crença ou religião que qualquer indivíduo tem a liberdade de possuir, algo é inegável: as inúmeras batalhas que já foram travadas em nome de Deus, sob o comando da Igreja Católica ou de outras organizações religiosas. Em certos lugares, as pessoas estão lutando até os dias atuais para defender certos modelos de pensamento que consideram mais certos que outros.

Os acontecimentos dos quais esse artigo fala são retratos claros da intolerância religiosa (por parte de ambos os lados) e da manipulação que a Igreja Católica fazia em seus fiéis, simplesmente pela busca de mais poder.

Deu-se o nome de Cruzadas às tropas do ocidente que foram enviadas à Palestina com o objetivo de recuperar o acesso dos cristãos à Jerusalém, conhecida como a Terra Santa, que estava sob o domínio de povos turcos seldjúcidas. O período da guerra foi do século XI ao século XIV. Os integrantes das tropas receberam o nome de ‘Cruzados’, pelo fato de possuírem uma cruz no peito. Em troca da participação dos mesmos, a Igreja prometeu o perdão pelos pecados.

As Cruzadas Medievais podem ser dividas em vários combates, tais como: Cruzada Popular (ou Cruzada dos Mendigos), Primeira Cruzada, Cruzada de 1101, Segunda Cruzada, Terceira Cruzada, Quarta Cruzada, Cruzada Albigense, Cruzadas Crianças, Quinta Cruzada, Sexta Cruzada, Sétima Cruzada, Cruzada dos Pastores, Oitava Cruzada, Nona Cruzada e as Cruzadas do Norte.

Vale lembrar que até mesmo crianças fizeram parte desses conflitos, que não foram bem sucedidos.

As Cruzadas não eram chamadas por esse nome na época. Eram usados termos como ‘Guerra Santa’ ou Peregrinação.

Os conflitos aumentaram a bagagem literária, ajudando no aspecto cultural, fizeram o comércio renascer na Europa e contribuíram para o aumento da rivalidade entre cristãos e muçulmanos que, mesmo depois das Cruzadas, continuou existindo e mostrando seus traços.

 





Deixe um Comentário